Logo

Notícias

Um livro de reflexões do Papa  sobre as tribulações ontem e hoje
VATICAN NEWS

Um livro de reflexões do Papa sobre as tribulações ontem e hoje

Um livro de reflexões do Papa 

sobre as tribulações ontem e hoje

O volume repropõe um texto inédito de 1987 de Jorge Mario 
Bergoglio sobre a “doutrina da tribulação”. O livro foi 
ampliado e atualizado aos tempos atuais e quem conta a
 origem da obra é o próprio Papa Francisco no prefácio.

Cidade do Vaticano

O livro “Cartas da tribulação” foi lançado, nesta terça-feira (29/01),

 na Itália, com o prefácio do Papa Francisco e a introdução de 

pe. Antonio Spadaro, diretor da revista jesuíta “La Civiltà Cattolica”.

O volume repropõe um texto inédito de 1987 de Jorge Mario Bergoglio,

 Papa Francisco, sobre a “doutrina da tribulação”, publicado na revista 

dos Jesuítas, em maio passado. O livro foi ampliado e atualizado aos

 tempos atuais e quem conta a origem da obra é o próprio Papa Francisco

 no prefácio, editado por ele na primeira edição, em 1987, a convite do

 pe. Miguel Angel Fiorito.

Naquela ocasião, tinham sido publicadas oito cartas de dois prepósitos

 gerais da Companhia de Jesus, sete do pe. Lorenzo Ricci, escritas 

entre 1758 e 1773, e uma do pe. Jan Roothaan del 1831. As missivas

 se referem à “grande tribulação” pela decisão tomada por Clemente XVI,

 em 1773, de suprimir a Ordem dos Jesuítas, depois reconstituída em

 1814, por vontade de Pio VII em 1814.

“Lembro-me, ressalta o Papa Francisco, “que quando levei ao

 Pe. Miguel Ángel Fiorito o rascunho do prefácio que eu tinha escrito 

para a primeira edição das “Cartas da tribulação”, o mestre, como era

 chamado, me pediu para desenvolver melhor o último parágrafo em

 que eu falava da importância do recorrer à acusação de si mesmo. 

Naquele ponto, tratava-se do discernimento e de como enfrentar bem

 a vergonha e a confusão que fazem espaço quando o maligno desencadeia

 uma perseguição feroz contra os filhos da Igreja”. “A resposta”, 

explica Francisco, “era a de opor-lhe a vergonha saudável e a confusão 

que a Misericórdia infinita do Senhor e a sua lealdade fazem sentir 

aos que pedem perdão pelos próprios pecados. «Ali, existe uma graça», 

me disse. «Deve desenvolvê-la!»

Discernimento em época de confusão

“Trinta anos depois”, constata o Papa, “estamos em outro contexto, mas 

a Guerra é a mesma e pertence somente ao Senhor. Essas cartas são

 «um tratado de discernimento em época de confusão e tribulação», e a

 sua reedição convida-me novamente com força, junto com as reflexões

 de outros colegas que estão incluídos no livro, a continuar a absolver 

aquele encargo que me foi dado pelo mestre, que agora para mim tem 

o sabor de profecia do idoso, de  «desenvolver uma graça»”.

“Sinto”, diz Francisco aos leitores, “que o Senhor me pede para partilhar

 novamente as Cartas da Tribulação. Partilhá-las com todos aqueles que,

 em meio à confusão que o pai da mentira sabe semear em suas

 perseguições, se sentem decididos a combater bem, livres daquela 

autocomiseração à qual somos tentados a nos render. Ela esconde a 

fonte da vingança e nada faz além de alimentar o mal que deseja eliminar. 

Contra toda tentação de confusão e derrota, faz bem voltar a sentir o 

espírito paterno daqueles que nos precederam e que anima essas cartas. 

Eles nos ensinam a escolher o consolo nos momentos de grande desolação”.

Fonte de mansidão, coragem e lucidez

O Papa faz um convite: “Recomendo a lê-las e rezar com elas. Essas 

cartas são, e foram para muitos em alguns momentos particulares, uma

 verdadeira fonte de mansidão, coragem e esperança”.

Além das oito cartas dos superiores gerais, padre Ricci e padre Roothaan,

 referidas às tribulações do passado, pela primeira vez traduzidas do latim 

nessa nova edição, o volume propõe outras cinco cartas do Papa Bergoglio, 

escritas em 2018: quatro dirigidas à Igreja no Chile, inerentes “à ferida

 aberta, dolorosa e complexa da pedofilia”, e uma dirigida ao Povo de Deus

 “a fim de desarraigar a cultura do abuso”.

“Essas cartas e as reflexões que as compõem”, explica na nota introdutiva 

o diretor da revista jesuíta “La Civiltà Cattolica”, pe. Antonio Spadaro,

 responsável pela introdução do livro, “são relevantes para entender como

 Bergoglio sinta o dever de agir como sucessor de Pedro, ou seja, como 

Francisco. São palavras que ele diz hoje para a Igreja, repetindo-as

 sobretudo a si mesmo. São  sobretudo, palavras que o Pontífice considera fundamentais, hoje, para que a Igreja seja capaz de enfrentar tempos de 

desolação, perturbação, polêmicas pretensiosas e contra o Evangelho”.

Deixe seu comentário

© Copyright 2019 Web Rádios. Todos os direitos reservados.